A lua está encolhendo por causa dos tremores, diz estudo | EXAME

Lua está encolhendo devido a tremores, diz estudo
Lua está encolhendo devido a tremores, diz estudo

Lua

Lua: análise examinou os tremores superfície lunar gravado pelas missões Apollo (Chacal Pan/Getty Images)

A Lua está a diminuir gradualmente, de geração de elevações, e tremores, de acordo com uma análise de imagens capturadas pela sonda Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO) publicado nesta segunda-feira (13).

Um estudo com mais de 12 mil imagens revelaram que a cratera lunar Mare Frigoris, perto do pólo norte da Lua, um dos grande crateras considerados locais morto do ponto de vista geológico – está ganhando pequenas elevações.

Ao contrário do nosso planeta, a Lua não tem placas tectônicas. Já sua actividade sísmica ocorre na medida em que perde o calor lentamente desde que foi formado, há 4,5 bilhões de anos. Isso faz com que a superfície se torna “enrugado”, como uma uva que se transforma em uma passagem.

Desde o córtex lunar é fraco, estas forças geram rupturas na superfície como no interior de contratos, dando origem a essas elevações, através da sobreposição de camadas de solo.

Por conta disso, a Lua estava mais “magra” cerca de 50 metros nas últimas centenas de milhões de anos.

Os astronautas da missão Apollo começou a medir a atividade sísmica na Lua nas décadas de 1960 e 1970, a constatação de que a grande maioria dos movimentos ocorridos no interior do satélite, enquanto um número menor estava na superfície.

A análise foi publicado na revista Nature Geoscience e examinados os tremores superfície lunar gravado pelas missões Apollo, a criação de ligações entre eles e elevações sobre a superfície muito recente.

“É bastante provável que as falhas são ainda está ativo até hoje”, disse Nicholas Schmerr, professor de geologia na Universidade de Maryland, que é co-autor do estudo.

“Muitas vezes não é visto tectônica ativa em qualquer outro lugar que não seja a Terra, de modo que é muito emocionante pensar que essas falhas podem produzir terremotos na Lua”.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*