Ex-prefeitos são presos durante a operação do Ministério Público, no Leste de Minas | Vales de Minas Gerais | G1

Ex prefeitos são presos durante operação do Ministério Público no Leste de Minas
Ex prefeitos são presos durante operação do Ministério Público no Leste de Minas

O Ministério Público de Minas Gerais, em ação conjunta com o Grupo de Especialização Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da polícia Militar e Civil, serviu três mandados de prisão contra ex-prefeitos das cidades de Divino das Laranjeiras, Itabirinha e São Félix de Minas, no Leste de Minas Gerais. Os suspeitos estão sendo investigados por corrupção, ativa ou passiva, lavagem de dinheiro, organização criminosa, falsidade ideológica e fraude à licitação.

As prisões ocorreram durante a operação Octopus, na manhã de quinta-feira (19). De acordo com o MP, as investigações começaram no início deste ano e ressaltou que o ex-prefeito de Divino das Laranjeiras, Edison Alves de Souza, recebeu propina para favorecer os contratos das empresas em um esquema que fraudava licitações relativas a obras públicas do município entre os anos de 2009 e 2016.

Entre as empresas que se beneficiaram do esquema de corrupção foram aqueles pertencentes à ex-prefeitos de Itabirinha e São Félix de Minas, Aurélio Cezar Donádia e Wanderley Vieira de Souza, respectivamente. Em meio a estes lances, o MP constatou que, em muitos desses casos, o ex-prefeito de Divino das Laranjeiras acabou de execução dos contratos públicos em seu favor, usando o nome de laranjas como uma maneira de esconder os verdadeiros donos.

A operação também revelou que, mesmo após o final do seu mandato, o ex-prefeito Edison Alves de Souza foi ainda influenciam as decisões de o lance do município, através de seu sobrinho, que assumiu o cargo de prefeito na Divina da laranjeira.

As perdas para os cofres públicos

De acordo com o promotor Evandro Ventura, até o momento não é possível estimar o dano causado, mas o que as empresas podem fazer um lucro de até R$ 10 milhões. “Nós não temos sido capazes de investigar de forma eficaz sobre as receitas que a empresa ganhou o contrato público e o que deixou de fazer. Este esquema gerado uma margem de lucro para todos os lados, haja vista que na inicial da nossa pesquisa as empresas tinham, cada um, 11, 12, 14 contratos de geração de lucros acima de us$ 1 milhão, 2 milhões de dólares, com cada contrato”.

Os ex-prefeitos estão em custódia, em Governador Valadares. A operação também cumpriu 17 mandados de busca e apreensão, de bloqueio de bens e valores. Durante a ação, foram apreendidas duas armas de fogo, cinco veículos e mais de um quilo de maconha.

O que dizem os envolvidos

A defesa Aurélio Cezar Donádia e Wanderley Vieira de Souza informou que, tão logo tome conhecimento dos documentos contidos nos registos irá tomar todas as medidas legais necessárias para inverter a ordem de prisão preventiva. A defesa de Edison Alves de Souza não se manifestou até a publicação dessa matéria.

    Seja o primeiro a comentar

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado.


    *