Senado aprova MP que liberou R$ 1,2 bilhão para a intervenção no Rio de Janeiro | Política | G1

Senado aprova MP que liberou R$ 1,2 bilhão para intervenção no Rio de Janeiro
Senado aprova MP que liberou R$ 1,2 bilhão para intervenção no Rio de Janeiro

Senadores reunidos no plenário durante a sessão desta quarta feira (11) — Foto: Waldemir Barreto/Agência SenadoSenadores reunidos no plenário durante a sessão desta quarta feira (11) — Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Os senadores se reuniram no plenário durante a sessão desta quarta-feira (11) Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O Senado aprovou na quarta-feira (11) a medida provisória (MP), que liberou R$ 1,2 bilhão para as ações relacionadas com a intervenção federal na área de segurança pública do Rio de Janeiro.

Como o texto já foi aprovado pela Câmara dos Deputados, seguirá para a sanção do presidente Michel Temer.

Editado por Medo em 27 de março, o MP já está em vigor desde a sua publicação, mas teve que ser aprovado pelo Congresso Nacional para se tornar lei na final.

A intervenção na segurança do Rio de Janeiro foi promulgada pelo governo federal em fevereiro deste ano e está previsto para durar até o final de dezembro.

No momento em que a intervenção foi decretada, o governo federal argumentou que o estado enfrenta uma situação “dramática” e, por conseguinte, a presença dos militares em acções de segurança foi necessário.

Críticas à intervenção

Durante a votação da medida provisória, o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (rio de janeiro), declarou voto a favor da MP, mas criticou a intervenção.

“O senhor sabe o quanto foi gasto com esses R$ 1,2 bi? R$ 30 mil. É uma desmoralização. Intervenção que não foi levado a sério não existe. (…) A intervenção é um movimento que foi feito naquele momento”, disse Lindbergh.

Não houve, durante a sessão, os discursos a favor da intervenção.

Militares e policiais fazem maior operação desde que a intervenção foi decretada no Rio

A polícia militar e fazer a maior operação desde a intervenção foi decretada, no Rio de janeiro

As posições da intervenção

Os senadores também aprovaram na quarta-feira mais uma medida provisória que criou o cargo de interventor federal no Rio e 66 cargos em comissão e as funções comissionadas para o escritório de intervenção.

O MP definiu os deveres e funções, serão extintos em 30 de abril e 30 de junho de 2019. Os ocupantes será automaticamente demitido ou dispensado a essas datas.

O texto segue para a sanção da presidente Michel Temer.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*