‘Um homem totalmente do bem’, afirma amigo sobre motorista de aplicativo encontrado morto | Presidente Prudente e Região | G1

imagem16-06-2019-16-06-36
imagem16-06-2019-16-06-36

Luciano Galindo era motorista de aplicativo e foi encontrado morto em Álvares Machado — Foto: Reprodução/FacebookLuciano Galindo era motorista de aplicativo e foi encontrado morto em Álvares Machado — Foto: Reprodução/Facebook

Luciano Galindo era motorista de aplicativo e foi encontrado morto em Álvares Machado — Foto: Reprodução/Facebook

Trabalhador, bem relacionado com as pessoas e um homem de bem. São apenas três dos adjetivos citados por familiares e amigos de Luciano Galindo, o motorista de aplicativo encontrado morto neste sábado (15), na zona rural de Álvares Machado. Conforme a Polícia Civil, a vítima trabalhava durante a madrugada, até que perceberam que o sinal do celular havia “sumido”.

Um tio da vítima, Manoel Galindo declarou ao G1 que a família “está em estado de choque com a forma que a vida [de Luciano] foi tirada”. Manoel contou que o sobrinho era um homem simples, humilde, bem relacionado com as pessoas e alegre. “Todos gostavam dele”, afirmou.

Ele ainda colocou que é preocupante o risco que motoristas correm. “Ele morreu trabalhando”, disse Manoel.

Familiares e amigos se despediram de Luciano no Cemitério Municipal Campal de Presidente Prudente.

Família e amigos se despediram de Luciano no Cemitério Municipal Campal de Presidente Prudente — Foto: Stephanie Fonseca/G1Família e amigos se despediram de Luciano no Cemitério Municipal Campal de Presidente Prudente — Foto: Stephanie Fonseca/G1

Família e amigos se despediram de Luciano no Cemitério Municipal Campal de Presidente Prudente — Foto: Stephanie Fonseca/G1

Sentimento de revolta

Amigo da vítima, o vendedor, e também motorista de aplicativo, Fábio Moreti contou ao G1 que Luciano foi seu padrinho de casamento e o ajudou muito. “Ele ajudava a todos. Fazia o que podia fazer para ajudar”, comentou ao contar que o amigo era um homem “totalmente do bem” e que até a hora de brigar ou chamar a atenção de alguém “fazia diferente”.

“Não tinha intrigas, dava valor à família e aos filhos de um jeito muito raro”, disse.

Moreti comentou que o padrinho de casamento trabalhava como motorista de aplicativo há cerca de 10 meses e cumpria uma carga horária de 13 a 14 horas por dia para conseguir uma boa renda para a família.

Vulnerabilidade

Ao G1, Moreti contou que começou a trabalhar no ramo para conseguir uma renda extra e afirmou o receio durante alguns trajetos. “A gente fica muito vulnerável”, ressaltou.

O aplicativo exibe aos passageiros todas as informações do veículo e motorista, segundo contou Moreti. Com isso, ele comentou que o mesmo deveria ser feito de modo contrário. “É totalmente na escura. A gente não sabe nada da pessoa [passageira]”, salientou.

“É um sentimento de revolta”, ressaltou ao G1.

Diante do crime, do susto e da perda de um amigo querido durante o trabalho, Fábio ainda comentou que pensa em parar de trabalhar como motorista de aplicativo.

‘Crueldade’

O corpo de Luciano Galindo foi encontrado por um homem que fazia caminhada numa estrada de terra na zona rural de Álvares Machado e acionou a Polícia Militar. Ele morava no Jardim Aviação, em Presidente Prudente.

De acordo com a Polícia Civil, o motorista estava trabalhando durante a madrugada, mas o veículo dele não foi encontrado. Também não havia documentos com o cadáver, que foi levado para o Hospital Regional (HR), em Presidente Prudente, onde familiares o reconheceram.

Amigos constataram, durante a madrugada, que o sinal de celular do motorista havia “sumido” e passaram a desconfiar de seu desaparecimento.

O corpo apresentava ferimentos de perfurações que a Polícia Civil suspeita de se tratarem de facadas.

Uma das hipóteses levadas em consideração para o caso é de que se trata de um latrocínio, que é o crime de roubo seguido de morte. Mas as investigações também consideram a possibilidade de um homicídio.

Em nota, a Associação dos Motoristas de Aplicativo de Presidente Prudente (Amapp) informou que a vítima, identificada como Luciano Galindo, de 42 anos, “teve a sua vida ceifada de uma forma cruel e violenta” durante a madrugada. Ele era casado e deixa um casal de filhos.

Corpo foi encontrado em estrada de terra na zona rural de Álvares Machado — Foto: Heloise Hamada/TV FronteiraCorpo foi encontrado em estrada de terra na zona rural de Álvares Machado — Foto: Heloise Hamada/TV Fronteira

Corpo foi encontrado em estrada de terra na zona rural de Álvares Machado — Foto: Heloise Hamada/TV Fronteira

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*